Educação financeira começa na infância! - RUMOS

Cada família tem uma dinâmica para lidar com receita e despesas e, muitas delas excluem os filhos das ações de planejamento financeiro, uma matéria que não se aprende na escola e que pode deixar muitos jovens despreparados para lidar com as contas no futuro.

E também no presente. Você já reparou que os adolescentes, por exemplo, são alvos fáceis do impulso de consumo, tão forte na nossa sociedade? Se eles estiverem comprometidos com o planejamento familiar, será mais fácil gerenciar as tentações minimizando uma possível incompreensão e aumentando o senso de responsabilidade de todos.

Dê mesada

A mesada ensina a criança a administrar o dinheiro. Isso evita que o jovem fique perdido quando tiver um salário pela primeira vez.

Ensine a criança a anotar seus gastos

Estimule a criança a anotar quanto gastou da mesada e se conseguiu economizar. Você estará ajudando a criar um hábito que será valioso no futuro.

Incentive a ter objetivos

A criança deve ser estimulada a ter objetivos para o dinheiro. Por exemplo, comprar uma bicicleta ou um ingresso para um parque. Quando o dinheiro for suficiente, deixe que a criança pague.

Estimule a poupança

É possível ajudar o filho com motivações bem simples, como a compra de um “cofrinho”.

Ensine a importância do consumo consciente

Não adianta ter dinheiro para comprar se não existir o bem à disposição. É preciso economizar os recursos naturais, como a água ou a energia, para o futuro.

Dê o exemplo

Não adianta falar para o filho não ser um gastador, se o pai ou a mãe se comportar como um consumidor compulsivo. Só compre algo se for realmente necessário e não por impulso. Controle-se também.

Cuidado com o shopping

Não acostume seu filho a passear no shopping e sair de lá carregado de sacolas. Prefira lugares como parques, teatros, bibliotecas. Procure passeios gratuitos ou crie brincadeiras em casa que são simples e divertidas sem nenhum custo, como um jogo em família.

Fonte: UOL Economia

x